Lidando com a infertilidade

Não são poucos os casais que desejam aumentar a família, mas esbarram em problemas de fertilidade. Esse quadro é definido pela comunidade médica como dificuldade para conceber após um ano sem uso de métodos contraceptivos. Você provavelmente já ouviu relato de amigos, parentes, conhecidos  ou mesmo de pessoas públicas que precisaram de ajuda médica para engravidar, como Fátima Bernardes e até Michele Obama .  A pergunta que não quer calar é : quais os fatores causadores de  infertilidade e como lidar ou prevenir ?

Pode até parecer clichê, mas o estresse e a ansiedade, juntamente com o excesso de cafeína e bebidas alcoólicas, bem como alimentação desequilibrada são os maiores “perigos” para a fertilidade feminina.  O cigarro, além de prejudicar a evolução, aumenta as chances de aborto e até de gravidez ectópica, enquanto café e álcool podem inclusive afetar a formação e o desenvolvimento do bebê. A exposição a produtos de limpeza, tintas e corantes  contendo componentes tóxicos e  o trabalho em ambientes nos quais haja poluentes, produtos voláteis e submetidos a altas temperaturas também podem atrapalhar, já que desregulam o ciclo menstrual e a própria gestação. Vale ressaltar que não há estudos que comprovem que o uso prolongado de pílulas anticoncepcionais  prejudique a fertilidade da mulher a longo prazo e que a amamentação exclusiva até os seis meses de vida acaba por alterar a produção de hormônios hipofisários, inibindo assim  uma nova gestação ( isso para quem deseja um segundo bebê ).

Certamente, a idade e problemas congênitos não podem ser desconsiderados. Por isso as chamadas tentantes (mulheres que desejam engravidar)  devem procurar um médico de confiança e realizar exames que possam detectar distúrbios hormonais (sobretudo aqueles responsáveis pelo ciclo menstrual e pela ovulação ) disfunções na tireóide, síndrome do ovário policístico e até trombofilia ( predisposição genética ou adquirida a tromboses, que prejudica a gravidez por comprometer a circulação sanguínea entre útero e placenta). Aquelas que já têm um diagnóstico prévio também devem marcar uma consulta para tirar quaisquer dúvidas e receber orientações específicas para o seu caso. Cuidar da saúde é fundamental !

E não são apenas as mulheres que devem estar atentas a problemas ou alterações na fertilidade. Segundo os médicos, o estresse, o tabagismo e o consumo de álcool  também são  os principais  fatores prejudiciais para a fertilidade masculina . Além disso, algumas substâncias e medicamentos podem ter efeitos adversos sobre a produção de espermatozóides, sendo eles: esteróides anabolizantes, o antifúngico, medicamentos utilizados no tratamento de problemas de próstata, alguns antidepressivos, medicamentos diuréticos e até anti-hipertensivos.  É preciso ficar atento também a infecções e problemas circulatórios, que podem ser tratados com ajuda médica.

Mais importante do que conhecer esses fatores  e p recorrer a especialistas é fazer com que a infertilidade não seja um tabu nem atrapalhe a vida conjugal ou familiar. Não é preciso procurar culpados nem perder a esperança e a paciência.  Que tal fazer  disso uma oportunidade para reforçar a união na família e até uma motivação para adotar um estilo de vida mais saudável ? Assim todos estarão mais fortes e prontos para receber novos membros da família com  muito amor e carinho, não importa quando ou como venham !

Deixe uma resposta