Viajando de avião com o bebê

Viajar é uma delícia, não é mesmo? Afinal, essa é uma excelente oportunidade para recarregar as energias e estar perto de quem amamos. E com a chegada de um bebê isso só se torna mais especial, tanto que muitos pais ficam ansiosos para leva-los em viagens dentro e fora do país. Muitas famílias adoram sair de férias e escolhem destinos acessíveis por avião. Os pequenos podem certamente ser levados nos voos sem problemas, sobretudo se forem tomados alguns cuidados.

Uma das dúvidas mais frequentes é: a partir de que idade os bebês podem voar? As companhias aéreas, em geral, aceitam bebês a partir do sétimo dia de vida, porém pediatras recomendam que os pais esperem três meses, para que os pequenos possam desenvolver o sistema imunológico e estejam devidamente imunizados, conforme o calendário de vacinação estipulado pela Sociedade Brasileira de Pediatria. O primeiro passo, então, é comprar o bilhete aéreo, que para crianças que viajam no colo não deve ultrapassar 10% da tarifa cobrada de adultos, segundo diretrizes na ANAC. Uma dica dada por médicos e viajantes experientes é dar preferência a voos noturnos, para evitar alterações bruscas na rotina de sono e alimentação dos pequenos.

Ao fazer as malas, é preciso separar roupinhas adequadas ao clima do destino e ao tempo de viagem. Já na bagagem de mão algumas mudas de roupa, cobertas ou agasalhos, mamadeiras ou chupetas, um travesseiro (fornecido por algumas companhias),lenços umedecidos, toalhas para higiene, medicamentos para febre que já venham sendo utilizados e brinquedos silenciosos ( para que seu pequeno possa ficar entretido sem despertar reclamações de outros passageiros). Algumas companhias aéreas costumam fornecer alimentação especial para bebês que já tenham iniciado a ingestão de alimentos sólidos, mas também é possível levar na bagagem de mão papinhas e leite em pó, desde em que quantidade suficiente apenas para o período do voo, sem desperdícios.

Destino escolhido, passagens compradas e malas prontas, é hora de embarcar ! Para destinos nacionais, é preciso ter em mãos a certidão de nascimento, cartão de vacinação e autorização judicial assinada em cartório caso o bebê esteja acompanhado pro somente um dos pais. Em voos internacionais, é preciso também passaporte com data válida , emitido pela Polícia Federal, que também emite autorizações para que o bebê possa sair do país só com a mãe ou o pai . Lembrando que pais com crianças de colo têm preferência no check -in momento do embarque e podem receber assentos nas primeiras fileiras, sendo que no último caso é necessário avisar a companhia aérea com pelo menos 48 horas de antecedência.

No momento da decolagem, os pequenos costumam ficar incomodados com a movimentação do avião, por isso recomenda-se oferecer líquidos, incluindo leite materno, para reduzir o desconforto. Algumas crianças também apresentam náusea e vômitos, que podem ser evitados com a medicação 40 minutos antes do embarque, segundo recomendações do pediatra. Vale salientar que viagens de avião podem acentuar sintomas de gripe, motivo pelo qual deve-se evitar embarcar com bebês com febre alta ou que apresentem processos respiratórios graves, caracterizados pelo dito “chiado no peito” . Uma vez no ar, não se acanhem usar o trocador no banheiro do avião ou pedir a um comissário de bordo que te conduza a um local mais reservado para higienizar seu bebê. É possível também trocar a fralda no próprio assento. O importante é não deixar seu pequeno com a fralda cheia, de modo a evitar assaduras. Em voos mais longos, você pode também requisitar à tripulação um berço desmontável no qual seu bebê possa tirar uma soneca !

A chegada de um bebê, portanto, não significa interrupção das férias em família . Tomados esses cuidados e já tendo chegado ao seu destino, é só desembarcar e curtir junto ao seu bebê alguns dias em um local novo para ele (a). Essa é uma maneira maravilhosa de apresentar o mundo ao seu pequeno e quem sabe, fazê-lo tomar gosto por viagens.

Deixe uma resposta