Exercícios durante a gravidez

Manter uma vida saudável, com dieta equilibrada e exercícios físicos, traz benefícios em qualquer fase da vida. Mas muitas mulheres, ao receber o resultado positivo do teste da gravidez, não sabem se podem continuar e como podem adaptar sua rotina de atividades físicas. Manter-se ativa durante a gestação, aliás, é um excelente meio para lidar com as mudanças corporais durante a gestação, entre elas o cansaço provocado pela retenção de líquidos e o aumento do fluxo sanguíneo. Além disso, o fortalecimento da musculatura e a ampliação da consciência corporal, conseqüências dos exercícios, podem ajudar muito no momento do parto!

O primeiro passo, entretanto, é verificar com seu médico se o seu estado de saúde não traz, nenhum empecilho para a prática de atividades físicas. É muito importante ter certeza de que não há nenhum risco para a futura mamãe nem para o bebê. A partir daí, você já pode começar a se exercitar, seguindo algumas recomendações mais gerais ( não praticar exercícios em jejum, alimentar-se regularmente e dar preferência a roupas confortáveis) e outras mais específicas ( cautela na exposição ao sol e evitar atividades de alto impacto) . Existem diversas opções de atividade altamente recomendadas para grávidas e durante os nove meses de espera pelo bebê é possível explorá-las e montar uma rotina de exercícios que atenda suas necessidades e preferências pessoais.
Caminhadas e corridas leves, por exemplo, são recomendadas do começo ao fim da gestação e podem auxiliar no controle tanto do peso quanto da pressão arterial. A natação é considerada uma excelente alternativa por acionar todos os grupos musculares e trabalhar a parte cardiorrespiratória. A hidroginástica é um outro exemplo de atividade na água que reduz o impacto e ajuda a melhorar a respiração da gestante. O alongamento pode servir para atenuar as dores das quais muitas mulheres se queixam na medida em que a barriga cresce e seu centro de gravidade é deslocado. Ioga e pilates também ajudam a melhorar a respiração, mas é preciso que o s movimentos sejam adaptados à anatomia da grávida . Exercícios abdominais ajudam a preparar a região para o parto normal, porém não são indicados para mulheres com propensão a diástase.

É importante focar não em restrições, mas no que pode ser adaptado e para isso é preciso procurar orientação profissional não apenas no pré-natal, mas também na hora de malhar. As adeptas da musculação, por exemplo, não precisam abandonar a modalidade, porém recomenda-se que, com a ajuda de um personal trainer, criem uma rotina de atividades que não elevem muito a pressão arterial nem a freqüência cardíaca. O mesmo acontece com o spinning, o TRX e o treinamento funcional, que pode ser adaptado para movimentos que trabalhem o equilíbrio. Por último a dança é uma ótima pedida para as gravidinhas e inclusive pode ajudar no momento do parto, já que favorece a dilatação do côo do útero. É necessário, entretanto, que o professor lhe ajude a se alongar com finalidade de relaxar a musculatura e não melhorar, evitando assim rompimentos indesejados de fibras.

Para evitar exageros, ninguém melhor do que você para saber os limites do seu corpo . Sangramentos, sensação de tontura ou de desmaio, náuseas, dores ou inchaço nas mãos, pés tornozelos ou panturrilhas são sinais de que é preciso moderar o ritmo . Não é preciso se exercitar à exaustão nem ter pressa para retomar as atividades físicas após o parto,pois isso pode ser prejudicial para você e para o bebê. Exercita-se em um ritmo que lhe permita conversar com quem estiver ao seu lado é o ideal. E depois que você já estiver com seu pequeno nos braços e for liberada pó seu médico, é possível levá-lo em caminhadas, de forma tranqüila e sem tanta pressão . O importante é se sentir bem!

Deixe uma resposta