Introdução alimentar: o BLW

Ao completar seis meses de vida, o bebê já está preparado para começar a experimentar alimentos sólidos. Esse é um momento muito especial tanto para o pequeno quanto para toda a família, que agora pode lhe apresentar diversos alimentos, com sabores, sabores e texturas variadas. Muitos pais têm dúvidas sobre o que, quanto e como oferecer ao bebê nesse período. Durante muito tempo, profissionais da saúde orientavam a privilegiar preparações líquidas, como sopas e papinhas, oferecidas e horários e quantidades estabelecidos pelos responsáveis pelo bebê. Mas será essa a única alternativa?
Recentemente, vem ganhando destaque um modelo de introdução alimentar denominado Baby-Led Weaning (BLW), que em português significa “desmame guiado pelo bebê”, ainda que isso não signifique o fim da amamentação. Nesse modelo de introdução alimentar, os alimentos sólidos são oferecidos ao bebê em pedaços bem pequenos, sem a utilização de utensílios especiais, de modo que o próprio bebê possa pegar os alimentos com as mãos e leva-los à boca. Isso aliás, já é praticado há muito tempo sem uma denominação formal é muito comum em famílias com muitas crianças, nas quais os mais novos tentam imitar o comportamento dos mais velhos. É importante ressaltar que esse método não é recomendado em casos de prematuridade ou de histórico familiar de alergias ou intolerância alimentar, logo é importante tirar dúvidas com seu pediatra antes da aplicação do BLW.
A prioridade é oferecer aos pequenos alimentos fáceis de segurar, como legumes (brócolis ou cenoura), batata ou mandioquinha cozidos. Frutas macias e que podem ser cortadas, como banana, pêra, mamão e outras, são ótimas opções para lanches e até no café da manhã. Pedaços de carne, frango e ovo cozidos, fazem parte do cardápio de famílias adeptas do BLW, assim como fatias de pão e massas como penne ou fusili. Esses são alimentos que o bebê pode pegar com a mão inteira enquanto ainda não desenvolve o movimento de pinça. Aliás, é preciso ter atenção ao desenvolvimento do seu bebê, e perceber se ele(a) apresenta dificuldades para pegar os alimentos ou para mastigar. Nesse caso, talvez seja melhor procurar outra forma de introdução alimentar.
Muitos pais ressaltam como benefício desse método a maior autonomia por parte do bebê, que pode explorar por conta própria os alimentos e é apresentado a diferentes texturas o mais cedo possível. Apesar de não haver evidências científicas da eficácia da aplicação desse método, pais relatam que esse tipo de introdução alimentar fez com que seus filhos aceitassem uma variedade maior de alimentos e se tornassem mais abertos a novidades no momento das refeições. Isso é atribuído ao fato de que a introdução tardia de alimentos em pedaços dificulta a aceitação de novos sabores e de texturas muito diferentes das líquidas. Outra vantagem é apontada é a maior praticidade na preparação dos alimentos, mais rápida por não demandar liquidificadores nem processadores.

É preciso certamente, tomar alguns cuidados, como em relação aos pedaços oferecidos ao bebê, para evitar engasgos. Frutas pequenas como uvas e mais tenras, como maças cruas , também são associadas a um maior risco de engasgo e por isso não são muito indicadas. Para evitar esse problema, pediatras aconselham que o bebê tenha a oportunidade de manusear os alimentos quando já for capaz de permanecer sentado adequadamente e que seja sempre supervisionado. Além disso, esse é um método que exige paciência, pois inicialmente o bebê vai parecer brincar com a comida e parte dela pode acabar no chão, gerando sujeira e certo desperdício. Diante disso, pode ficar mais difícil determinar o quanto ele(a) está comendo e até mesmo se está recebendo todos os nutrientes necessários.

Na fase da introdução alimentar, o importante é fazer escolhas conscientes, pensando no que é melhor para o bebê e para toda a família. O BLW pode ser uma experiência extremamente positiva para vocês e você também pode combiná-lo com outros modelos de introdução alimentar. Com bastante frequência, médicos orientam aos pais que é possível oferecer preparações líquidas com alguns pedaços, para que o bebê possa desenvolver a mastigação. Com as devidas informações, perseverança e muito carinho, é possível incluir seu pequeno na rotina alimentar da família, respeitando seu tempo e ainda ajudá-lo a dese

Deixe uma resposta